quinta-feira, 16 de julho de 2015

JESUS LEVOU NA CRUZ TODAS AS NOSSAS DORES E ENFERMIDADES?


Uma reflexão sobre o significado da vida transformada em Cristo e sua relação com dores e doenças

Robson T. Fernandes

Algumas pessoas defendem que Jesus levou na cruz todas as nossas maldições, com base em Isaías 53:4.

Certamente, ele tomou sobre si as nossas enfermidades e as nossas dores levou sobre si; e nós o reputávamos por aflito, ferido de Deus e oprimido.
Isaías 53:4

Se essa forma de pensar está correta, por que a mulher sente dores na gravidez? Por que a mulher sente dor do parto? Por que a mulher deve se submeter a liderança do homem, desde que feita no amor de Cristo? Por que o homem tem que trabalhar para comer? Por que o homem tem que enfrentar a morte?

E à mulher disse: Multiplicarei sobremodo os sofrimentos da tua gravidez; em meio de dores darás à luz filhos; o teu desejo será para o teu marido, e ele te governará.
E a Adão disse: Visto que atendeste a voz de tua mulher e comeste da árvore que eu te ordenara não comesses, maldita é a terra por tua causa; em fadigas obterás dela o sustento durante os dias de tua vida.
Ela produzirá também cardos e abrolhos, e tu comerás a erva do campo.
No suor do rosto comerás o teu pão, até que tornes à terra, pois dela foste formado; porque tu és pó e ao pó tornarás.
Gênesis 3:16-19

Se essa forma de pensar estivesse correta, a mulher ao deveria ter nenhum problema na gravidez. Porém, ainda hoje sentem normalmente enjoos, vômitos, azia, prisão de ventre, inchaços etc.; Se essa forma de pensar estivesse correta, a mulher não precisaria se submeter à liderança do marido. Porém, ainda hoje a Sagrada Escritura declara que a mulher que não fizer isso estará blasfemando contra o próprio Deus (Tt 2:3-5). Se essa forma de pensar estivesse correta, o home não precisaria trabalhar de forma cansativa para sustentar a si mesmo e ao seu lar. Porem, não é isto o que ocorre, pois o homem precisa se sujeitar a uma jornada de trabalho cansativo e que muitas vezes lhe traz consequências físicas e emocionais; Se essa forma de pensar estivesse correta, todas as pessoas que foram convertidas a Cristo não morreriam, mas seriam arrebatadas. Porém, não é isto o que ocorre na prática. Até aqueles que defendiam a distorção de que o crente não adoece porque Cristo levou as “enfermidades” na cruz, em geral, foram vítimas de doenças:

1) A. A. Allen, fundador do Vale dos Milagres, morreu de insuficiência hepática causada por alcoolismo;
2) A. B. Simpson, líder do movimento da cura pela fé, morreu de paralisia e arteriosclerose;
3) Charles Capps, mesmo após ter afirmado: “Eu nego o direito da doença existir no meu corpo, porque eu faço parte do Corpo de Cristo” viu sua esposa contrair câncer. Ao invés de “exercerem” a fé que pregam buscaram socorro na medicina;
4) Daisy Osborn, esposa de T. L. Osborne, morreu de câncer, mesmo depois de testemunhar diante de sua congregação que havia sido curada. E T. L. Osborne morreu de uma forma que ninguém sabe explicar ao certo, em casa, muito embora o seu filho tenha dito que “ele não estava com dores e não tinha nenhuma doença”[2];
5) E. W. Kennyon, fundador do Movimento da Fé, faleceu devido a um tumor maligno;
6) Fred Price, mesmo após afirmar: “Não permitimos doença em nossa casa” viu sua esposa contrair câncer e ser tratada com quimioterapia;
7) Gilson, considerado um profeta e professor no centro de Treinamento Rhema em Campina Grande, morreu vítima de câncer;
8) Gordon Lindsey, autor da revista “A Voz que Cura” e de mais de 250 livros sobre cura, morreu de problemas cardíacos;
9) Edir Macedo, líder da IURD, usa óculos e tem atrofia nas mãos;
10) Hobart Freeman, pastor da igreja Palavra da Fé, recusou receber tratamento médico para as suas muitas doenças. Em sua igreja mais de 90 pessoas morreram por também recusar tratamento. Freeman morreu de pneumonia e insuficiência cardíaca grave, cujo quadro se agravou em decorrência de sua perna ulcerada;
11) Jack Coe, conhecido pregador americano da prosperidade e cura divina, na década de 1950/60, morreu vítima de poliomielite;
12) Jamie Buckingham, escritora de mais de 40 livros sobre prosperidade, morreu do mesmo câncer que afirmou ter sido curada;
13) John Alexander Dowie, que mantinha a revista “Folhas de Cura” teve um derrame cerebral e ficou inválido;
14) John Wimber, fundador do Vineyard Movement, morre de câncer na garganta;
15) John G. Lake morreu de um colapso;
16) John Osteen viu sua esposa vítima de câncer e buscou ajuda médica;
17) John Wimber, escritor do livro “O Poder da Cura”, morreu de câncer, assim como seu filho também;
18) Kathryn Khulmann morreu de problemas cardíacos;
19) Keith Greyton, considerado um profeta, morreu de AIDS;
20) Kenneth Hagin, conhecido como “A Voz da Cura”, foi hospitalizado numa UTI do coração desde o dia 14 de setembro de 2003 e faleceu de complicações do coração em casa no dia 23 de setembro de 2003, muito embora tenha testemunhado e escrito afirmando ter sido curado de várias doenças, inclusive do coração. A sua irmã morreu de câncer e seu genro, Buddy Harrison, também morreu de câncer;
21) Mack Timberlake contraiu câncer na garganta e submeteu-se a tratamento médico;
22) R. W. Shambach foi submetido a quatro pontes safenas;
23) Ruth Carter Stapleton, conhecida como evangelista e profeta de curas, morreu de câncer ao recusar tratamento médico.

Se esta forma de pensar estivesse correta, os apóstolos de Cristo não teriam sofrido como sofreram, torturados como foram e nem executados e martirizados. Pedro foi crucificado, André foi crucificado, Tomé foi traspassado por lanças, Filipe foi torturado e crucificado, Mateus foi apunhalado, Bartolomeu foi esfolado vivo, Tiago Maior foi decapitado, Tiago Menor foi apedrejado, Simão foi martirizado, Judas Tadeu foi morto por machadadas, João foi posto vivo dentro de um caldeirão de azeite quente e o apóstolo Paulo foi torturado e decapitado.

Precisamos entender que as dores e enfermidades foram postas pelo próprio Deus como resultado da maldição no Éden (Gn 3:16-19).

Por outro lado, o apóstolo Pedro explica claramente o que significa essa "maldição" e essa "enfermidade" que Jesus levou na cruz. O apóstolo de Cristo explica que essa "enfermidade" que Jesus levou é o pecado daquele que é salvo, pois ele afirma:

[...] carregando ele mesmo em seu corpo, sobre o madeiro, OS NOSSOS PECADOS, para que nós, mortos para os pecados, vivamos para a justiça; por suas chagas, fostes sarados (1Pe 2:24)

Portanto, dores, doenças e sofrimentos fazem parte desta vida. Nós só teremos um corpo glorificado, e livre de todas estas coisas, quando a Igreja for arrebatada (1Co 15:51,52). Até lá o apóstolo Paulo diz que estamos sujeitos ao que a vida oferece porque o próprio Deus foi quem nos sujeitou a isso e que isto só será mudado quando houver a redenção do nosso corpo, que ocorrerá no arrebatamento da Igreja.

A ardente expectativa da criação aguarda a revelação dos filhos de Deus.
Pois a criação está sujeita à vaidade, não voluntariamente, mas por causa daquele que a sujeitou, na esperança de que a própria criação será redimida do cativeiro da corrupção, para a liberdade da glória dos filhos de Deus.
Porque sabemos que toda a criação, a um só tempo, geme e suporta angústias até agora.
E não somente ela, mas também nós, que temos as primícias do Espírito, igualmente gememos em nosso íntimo, aguardando a adoção de filhos, a redenção do nosso corpo.
Romanos 8:19-23

Por fim, o apóstolo Paulo já esclareceu que toda a criação aguarda com ansiedade o dia em que os filhos de Deus serão revelados em sua verdadeira e derradeira natureza. Transformados fisicamente, quando ocorrerá finalmente a “redenção do nosso corpo”.


Que venha este grande Dia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Você é livre para expressar a sua opinião, mas ela só será publicada se for expressa com respeito e educação.